A informação ao longo dos anos tornou-se base fundamental para a evolução de nossa sociedade. Com este conhecimento notado e adquirido as sociedades criadas e formadas ao longo dos séculos perceberam a importância do seu armazenamento e distribuição para seus integrantes de modo a perpetuar a população de maneira próspera, sempre tendo em vista seu crescimento contínuo e evolutivo.

Diante dessa realidade, Juliana Ferrari, Media Manager do SBT, vê a importância de profissionais especializados em armazenamento de acervos em posição de destaque em uma empresa. Mediadora do painel “MAM: os desafios do armazenamento digital e as possibilidades de novos negócios”, a executiva lembra que a gestão de ativos tornou-se uma estratégia de negócio. “Para falar hoje de armazenamento temos que, necessariamente, abordar a transformação digital. Ela é o motor para todas as mudanças que as empresas vêm enfrentando, já que ampliou o uso de soluções de computação em nuvem que ajudaram no armazenamento de acervos e seu acesso”.

Para Rita Marques, consultora e diretora da Garimpo, que responde pelo CDOC da Globo, a virada do milênio marcou um caminho sem volta para a indústria audiovisual e a criação de acervo de seus conteúdos na era digital. Mas ela destaca que as mudanças começaram antes. “Atualmente, além de gravar e produzir, é preciso preservar. Isso gerou um novo papel do profissional que faz esse trabalho, que entrou definitivamente na era da informação. Em 1980, o sistema era analógico ou em filme. O sistema era produzir, gravar e entregar para o arquivo armazenar.

Hoje, segundo Rita, já vivemos a segunda geração do MAM (Media Asset Management), um novo processo de arquivamento, um novo conceito de metadados, inteligência artificial, automação dos processos. “As mudanças são ininterruptas e disruptivas. Não podemos desconsiderá-las. Informação e conteúdo devem estar indexados e padronizados desde o primeiro momento da captação. O novo profissional do arquivo é fundamental para garantir autenticidade do conteúdo. O processo é um misto do ser humano com a IA em etapas e tarefas”.

Já Matt Silva, CEO do CIS Group Corp, lembra que o conceito de Gestão de Ativos evoluiu bastante nas últimas décadas, mas o conteúdo sempre foi, continua a ser e sempre será o principal. “Como resultado dessa noção, ao longo dos anos, os produtores de conteúdo buscaram maneiras de inovar seus métodos de monetização de ativos. A ascensão do MAM e suas diferentes aplicações, juntamente com as tendências mais amplas de Big Data e Inteligência Artificial, permite aos produtores de conteúdo impulsionar o crescimento da receita e otimizar os custos”.

Hugo Gaggioni, Chief Technology Officer da Sony Professional Solutions Americas, descreveu a tecnologia, os recursos e as capacidades do sistema Enterprise Library Solution (ELS) da Sony. “Trata-se de uma solução de armazenamento de data center de classe empresarial, escalável e de alta capacidade, criada com base na tecnologia de ODA (Optical Disc Archive) da Geração 3 da Sony”, disse. “A ELS da Sony integra robótica de biblioteca avançada, cartuchos de mídia de disco óptico WORM e unidades com conectividade, além de um software perfeito de gerenciamento, fornecendo uma plataforma altamente segura para preservação de dados e arquivamento de ativos digitais valiosos”.