Dia 17 de outubro, comemorando o centenário de nascimento do cantor Nelson Gonçalves, o também cantor Márcio Gomes, sucesso de público e crítica, faz uma justa e sincera homenagem em forma de show!

O show reúne os cinco gêneros musicais mais fortes na história musical de Nelson, como: samba canção, seresta, samba, fox e tango. Sucessos como “Renuncia”, “Dos Meus Braços Tu Não Sairás”, “A Volta do Boêmio”, “Fica Comigo Esta Noite”, “Escultura”, “A Deusa do Asfalto”, “Nega Manhosa”, “Cadeira Vazia” e muitos outros estarão no repertório ao lado de tantos outros clássicos, que ao longo dos anos ficaram gravados no inconsciente do povo brasileiro.

Nelson Gonçalves foi um cantor de carreira longa e recordista. Uma história de vida dramática, mas vitoriosa. Seu legado é indispensável na Música Popular Brasileira. Saudemos na voz de Márcio Gomes os 100 anos de Boemia de NELSON GONÇALVES.

Vale lembrar …

O cantor Márcio Gomes completou cinco anos ininterruptos do show “Eternas Canções” no Imperator – Centro Cultural João Nogueira.

O absoluto sucesso de público é um verdadeiro fenômeno que ocorre mensalmente nas tardes do Méier.

Show esse que passeia por vários gêneros da música popular brasileira e internacional, fazendo com que o espetáculo seja sempre uma novidade. Além do improviso, em comum acordo com a plateia, que escolhe três cantoras e três cantores da Era do Rádio e suas obras são lembradas.

Em um CD ao vivo, gravado em janeiro/2018, mostra o calor do público e desse jovem cantor, considerado hoje “O novo Rei da Voz”!

Considerado o novo rei da voz, pelo crítico musical Ricardo Cravo Albin, Márcio Gomes conquistou o público e com razão! Dono de uma voz marcante e poderosa, o cantor já tem cinco discos no currículo, além de um DVD.

No próximo dia 17 de novembro, Márcio apresentará seu mais recente show “NELSON GONÇALVES: 100 ANOS DE BOEMIA” no Teatro Municipal de Niterói, entoando canções que fizeram muito sucesso na voz do grande Nelson Gonçalves.

Márcio lembra que sua carreira artística começou em 1997. Ele considera essa data seu começo profissional, pois foi quando cantou pela primeira vez com bilheteria, público pagante, num restaurante em Copacabana, onde se faziam pequenos shows. Mas a música já estava na vida dele há muito tempo. Começou a cantar aos 13 anos, na escola. Cantava por hobby, até chegar a cursar faculdade de Direito, mas uma hora percebeu que sua profissão realmente era de cantor e, a partir daí, se dedicou totalmente à  carreira artística.

Márcio começou cantando música clássica e que, o estilo de música que canta hoje, apareceu após assistir um show de Angela Maria.  “Observando o repertório da Angela e dos contemporâneos me encontrei, descobri que aquilo se encaixava muito bem na minha voz. A partir daí tudo foi aparecendo. Claro que eu canto também os compositores mais atuais, desde que tenha uma ligação forte entre poesia e melodia, mas meu trabalho, minha identidade, são as músicas dos anos 40, 50 e 60. Faço esse repertório com tanta naturalidade que parece que vivi nessa época”.

Sobre seu público diferenciado – a grande maioria da terceira idade -, o astro afirma que seus fãs são fiéis e grandes aliados em sua carreira.

“Meu público é fiel, como se fosse na era do rádio, dos anos 50, quando o público seguia os passos do artista. Se eu fosse um artista que estivesse em evidência na grande mídia, seria um mito formado através da TV e atrair fãs seria uma linda consequência. Mas minha carreira se deu unicamente por mérito… dos espetáculos realizados, tempo em cartaz e desse fenômeno de público. Acho fantástico isso! Completo 22 anos de uma carreira sólida e tenho os fãs como maior aliado. Em sua maioria, pessoas da terceira idade, extremamente alegres, que cantam e dançam todas as músicas e já levam aos shows seus filhos e netos, o que me ajuda a trazer um público mais jovem para esse repertório antigo.

Vejo a plateia crescer a cada show, mesmo sem grande destaque na mídia. Por isso que no palco sempre estou feliz!

E questionado sobre suas influências musicais, Márcio cita as grandes divas da música, como Angela Maria e a portuguesa Amália Rodrigues, mas não esquece de nomes como Tim Maia, Alcione e Elba Ramalho.

“São muitos ídolos! Na música internacional destaco a rainha do fado, Amália Rodrigues. A cantora portuguesa foi a maior artista que eu já vi no palco. Tive o prazer de conhecê-la e construímos uma bela história de amizade. No Brasil, cito primeiramente os ídolos do passado: Francisco Alves, Carlos Galhardo, Silvio Caldas, Orlando Silva. Nessa época não existiam cantores ruins, todos eram irretocáveis. Claro que não poderia deixar de citar nossa diva Angela Maria além de Agnaldo Rayol, Agnaldo Timóteo, Nelson Gonçalves e Altemar Dutra pois são alguns dos responsáveis por minha escolha musical. Mas também admiro muito artistas contemporâneos como: Tim Maia, Alcione, Elba Ramalho e tantos outros que fazem a cultura popular mais rica”.

MÁRCIO GOMES em Nelson Gonçalves: 100 Anos de Boemia.
Duração: 80 min
Livre para todas as idades
Teatro Municipal de Niterói
Rua Quinze de Novembro 35 – Centro – Niterói – Tel.2620-1624
Dia 17 de Outubro / quinta feira 19h
Preço dos Ingressos: R$ 60,00 / R$ 30,00